Menu

Yas Kween por David Mandell e Lorena Lourenço

Assistam o Seriado TV 2018 e deem um Like

Lorena Lourenço

Film is my attempt to entertain, expose and transcend.

Lorena is a Brazilian filmmaker, producer and director as well as a USC School of Cinematic Arts alum. Driven by a passion for all things cinema, she has sought out work in a variety of mediums, from commercials to music videos, documentaries, shorts and feature films. 

Lorena has enjoyed some successes as director, including the acceptance of the short film, “Pedagogy” (2015), into the Short Film Corner at the Cannes Film Festival and the acceptance of the short film “Joy” (2018) into several festivals worldwide as well as winning an Award of Merit from IndieFest. She was also an associate producer for the award-winning Brazilian film “Boca” (2011).

Amongst Lorena’s other credits, she has acted as the production coordinator and post supervisor for the Emmy-Winning and Academy Award nominated documentary filmmaking team, Chain Camera Pictures, helmed by Amy Ziering and Kirby Dick. She also acted as the creative assistant to the DreamWorks feature film “Thank You For Your Service”, produced by Steven Spielberg and written and directed by Academy Award nominee, Jason Hall.  She has also provided research and consultation for companies such as Condé Nast Entertainment and her most recent work, “Joy” is currently out to festivals.

Film is my attempt to entertain, expose and transcend.

Lorena é cineasta, produtora e diretora brasileira, além de ex-aluna da USC School of Cinematic Arts. Impulsionada por uma paixão por todas as coisas do cinema, ela procurou trabalho em uma variedade de mídias, de comerciais a videoclipes, documentários, curtas e longas-metragens.

Lorena teve sucessos como diretora, incluindo a aceitação do curta-metragem “Pedagogia” (2015), no Short Film Corner no Festival de Cannes e a aceitação do curta “Joy” (2018) em vários festivais em todo o mundo. bem como ganhar um prêmio de mérito do IndieFest. Também foi produtora associada do premiado filme brasileiro “Boca” (2011).

Entre outros créditos de Lorena, ela atuou como coordenadora de produção e supervisora de pós-produção da equipe de documentaristas de documentários Emmy e do Oscar, Chain Camera Pictures, dirigida por Amy Ziering e Kirby Dick. Ela também atuou como assistente criativa do longa-metragem da DreamWorks “Thank You For Your Service”, produzido por Steven Spielberg e escrito e dirigido pelo indicado ao Oscar, Jason Hall. Ela também forneceu pesquisa e consultoria para empresas como a Condé Nast Entertainment e seu trabalho mais recente, “Joy” está atualmente em festivais.

JOY

JOY, o curta da jovem cineasta brasileira Lorena Lourenço, faz sucesso nos EUA

A cineasta Lorena Lourenco ganhou o prestigioso Prêmio de Mérito na categoria de Mulheres Cineastas do Prêmio de Cinema IndieFEST, em San Diego com seu novo curta, “Joy”. Ela também foi selecionada para o Festival Internacional de Cinema de Pasadena, PIFF, e para para o Festival Internacional de Cinema Julien Dubuque, JDIFF, onde ela foi convidada a participar do painel Dubuque Inclusivo, para falar sobre o seu curta e sua carreira. 
Seu curta-metragem experimental, “Joy”, explora de maneira única a dicotomia entre as aflições de uma mulher imigrante nos EUA, contra a polidez, com a qual ela se sente compelida a se apresentar. Joy apresenta o desempenho excepcional da atriz Joy Sunday, imagens do diretor de fotografia Alex King, trilha sonora do compositor brasileiro Thiago Muller e A.P. Kyburz e foi produzido por Brewster McCann.
Na apresentação de Joy, Lorena Lourenco deixou sua mensagem: “É uma honra extrema receber este prêmio como o resultado das minhas experiências pessoais. Eu fui impelida ao ostracismo por ser mulher, latina e imigrante. Cansada dessa dinâmica, resolvi usar o cinema de modo a delinear claramente minha identidade, então ‘Joy’ se tornou a manifestação cinematográfica desse empoderamento.
Os festivais IndieFEST, o JDIFF e o PIFF
O IndieFEST Film Awards reconhece profissionais de cinema, televisão e novas mídias que demonstram realizações diferenciadas em criatividade, e aqueles que produzem entretenimento de destaque ou contribuem para mudanças sociais profundas. 
O Festival Internacional de Cinema Julien Dubuque é dedicado a enriquecer a comunidade e unir culturas através da educação e promoção das artes com filmes independentes relacionados a causas sociais.
O Festival Internacional de Cinema de Pasadena é o único festival de cinema competitivo em Pasadena, Califórnia, e tem como objetivo levar o cinema independente inovador a uma cidade conhecida por seu amor pela cultura e pelas artes. Os filmes que venceram na PIFF passaram a ganhar o American Pavilion do Festival de Cinema de Cannes, no qual Lorena estreou o seu primeiro curta, Pedagogia.

 

 

 

 

(por www.rioinformal.com/lorena-lourenco/)

YAS KWEEN

YAS KWEEN é uma web-série que conta a história de Kyle, um homossexual que se presenta como hetero, que ao perder tudo, encontra novos amigos na comunidade LGBTQIA que há muito tempo negligenciava. Sua novas amigas, Maria e Estitties, o ajudarão a descobrir um novo lado de si mesmo no mundo drag, um lado que ele usará para combater pessoas moralmente corruptas. Seria isto drag vigilante? YAS KWEEN!

O show é estrelado por David Mandell, Joy Sunday, Jason Depuy, Casey Thibodaux e Danny Abrahams. Yas Kween foi escrito por David Mandell, dirigido por David Mandell e Lorena Lourenco, e produzido por David Mandell, Lorena Lourenco, Peter Vogel e Lauren Schonemann.

Yas Kween quebra barreiras fora e dentro da comunidade LGBTQIA. David Mandell admite: “Quando você sai do armário, você deve ser recebido de braços abertos nesta recém-descoberta comunidade, e em vez disso, muitas vezes somos confrontados com julgamento, assédio e descrença.” Todos esses problemas são combatidos pelos personagens em Yas Kween que, ao tentarem descobrir-se, também derrubam as barreiras da masculinidade tóxica. A diretora imigrante, Lorena Lourenco, se sentiu profundamente conectada com o projeto e admite: “O sentimento de alteridade é universal, todos nós sentimos que não pertencemos, seja na comunidade heterossexual ou LGBTQIA ou em nossa terra natal ou em terra emigrada. É por isso que quero contar as histórias de nós “outros” na periferia da sociedade, para lembrar às pessoas que sim, existe um lugar para todos nós “.

Kyle convida o público para entender a comunidade drag e como é delicioso aprender sobre esta através das lições de Estitties. Este show tem personagens LGBTQ, e tocado por um elenco quase totalmente LGBTQ e, no entanto, este show não é apenas para a comunidade LGBTQ, é para quem sentiu-se quebrado, reconstruiu-se e, finalmente, encontrou-se em harmonia com a sua verdadeira identidade.

(por www.rioinformal.com/lorena-lourenco/)

Assista

Scroll Up